blog1[1]

Você sabe como se usa corretamente um colírio?

Muitas pessoas tendem a fazer o uso do colírio de forma errada e que se torna ineficaz em seu tratamento. As dicas abaixo podem lhe ajudar neste momento tão importante do seu tratamento:

1. Lave as mãos com água e sabão.
2. Incline a cabeça para trás e olhe para cima.
3. Puxe a pálpebra inferior delicadamente, formando uma pequena “bolsa” onde o colírio será aplicado.
4. Aplique a quantidade de gotas recomendada pelo oftalmologista, evitando o contato da ponta do frasco com os olhos.
5. Mantenha as pálpebras fechadas e pressione suavemente o canto interno do olho, perto do nariz. Isso evitará que o medicamento seja expulso
do olho ou escorra para o canal lacrimal.
6. Mantenha o olho fechado durante 1 ou 2 minutos.
7. Se for preciso, limpe o excesso de medicamento com um lenço de papel limpo.
8. Caso precise aplicar qualquer outro medicamento nos olhos, é recomendado que aguarde pelo menos 5 minutos antes de fazê-lo.

img_monitor

De olho na tela

Na era da tecnologia, não se faz mais nada sem computador, o que facilita os negócios mas tem dificultado a visão. De acordo com o instituto da Melhor Visão – BVI, diariamente milhares de pessoas marcam exames de vista devido a problemas na hora de enxergar a telinha do computador. Preocupados em oferecer aos pacientes algumas dicas para aliviar o esforço dos olhos em contato com o computador, chamamos a atenção para alguns detalhes:

1. Pisque mais! Piscando, os olhos liberam mais enzimas e óleos lubrificantes;

2. Evite claridade. A vista da janela pode ser interessante, mas o monitor localizado em frente à esta mesma janela pode aumentar a fadiga dos olhos.

3. Não trabalhe no escuro. O contraste entre a luz do computador e a falta de luz por trás do computador prejudica os olhos.

4. Descanse um minuto a cada 15 ou 20 minutos de trabalho no computador.

5. Sente pelo menos com 60 cm de distância do computador.

6. Exercite os músculos dos olhos, usando a tela interativa.

7. Pergunte ao profissional sobre óculos para computadores.

8. Observe os hábitos alimentícios. Óleos naturais, encontrados em alguns peixes e comidas ricas em potássio como bananas e batatas ajudam a manter os olhos lubrificados, prevenindo irritações.

Dicas como estas fazem de você um paciente mais informado!

p1100157_w2000

Glaucoma: é bom saber!

O que é Glaucoma?

O Glaucoma é a segunda maior causa de cegueira no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. Trata-se de um conjunto de doenças que levam ao dano do nervo óptico, uma das principais estruturas do olho, responsável pela visão. Nessa doença, o campo de visão é comprometido de maneira crônica e progressiva, e pode levar à cegueira se não for tratada.

Qualquer pessoa pode ter glaucoma?

Sim, qualquer pessoa pode ter glaucoma, porém esta doença é mais frequente em pessoas com histórico familiar de glaucoma, idosos, pessoas de raça negra e indivíduos com a pressão interna do olho elevada.

Como deve ser o tratamento?

Somente o seu oftalmologista poderá indicar o melhor tratamento para o seu glaucoma, pois cada paciente apresenta uma necessidade. Porém sabemos que o principal objetivo deve ser o controle da doença, não permitindo a sua progressão. Isso poderá ser feito através de colírios, ou em último caso, cirurgias.

Pressão intraocular e pressão arterial, são a mesma coisa?

Não. A pressão intraocular existe e atua apenas dentro dos nossos olhos e a pressão arterial existe e atua apenas nos vasos sanguíneos.

Fui diagnosticado com glaucoma. Devo mudar minha alimentação?

Atualmente não há nenhum estudo que comprove alterações na doença por conta da alimentação.

Como agem os medicamentos utilizados para o glaucoma?

Geralmente os pacientes diagnosticados com glaucoma fazem uso de colídios, com o objetivo de baixar a pressão interna do olho. Estes medicamentos atuam diretamente em um líquido que circula dentro dos olhos, chamado de Humor Aquoso. O colírio poderá agir diminuindo a produção ou aumentando a sua drenagem.

Os colírios podem apresentar algum efeito colateral?

Sim, mas os efeitos podem mudar de um colírio par ao outro. Os efeitos mais comuns são: olho vermelho, ardor, coceira, faltar de ar e arritmias. Converse com o seu oftalmologista e peça informações sobre os efeitos colaterais do seu medicamento.

olho-humano

Saiba mais sobre a Conjuntivite

Dicas para pacientes com  Conjuntivite Infecciosa!

1. Não esfregue os olhos.
2. Lave as mãos com frequência.
3. Limpe as secreções com água fria.
4. Lave os lençóis, fronhas e toalhas todos os dias.
5. Não cubra os olhos com gaze.
6. Não use maquiagem nos olhos.
7. Não use lentes de contato até que o seu médico recomende.
8.Não compartilhe celulares, copos, toalhas, lenços nem roupas em geral.
9. Crianças com conjuntitive não devem frequentar a escola ou creche.
10. Adultos com conjuntitive não devem ir ao trabalho.
11.Evite tocar os olhos após utilizar transporte coletivo.
12. Em lugares públicos, após contato com maçanetas, lave as mãos.
13. NÃO se automedique. Siga as orientações do seu oftalmologista para evitar complicações.

dica_olho_humano

O Olho Humano

Quando olhamos na direção de algum objeto, a imagem atravessa a córnea e chega à íris, que regula a quantidade de luz recebida por meio de uma abertura chamada pupila. Quanto maior a pupila, mais luz entra no olho. Passada a pupila, a imagem chega ao cristalino e é focada sobre a retina. A lente do olho produz uma imagem invertida e o cérebro a converte para a posição correta. Na retina, mais de cem milhões de células fotorreceptoras transformam as ondas luminosas em impulsos eletroquímicos, que são decodificados pelo cérebro.

Inspirado no funcionamento do olho, o homem criou a máquina fotográfica. Portanto, em nossos olhos a córnea funciona como a lente da câmera, permitindo a entrada de luz no olho e a formação da imagem na retina. Localizada na parte interna do olho, a retina seria o filme fotográfico, onde a imagem se reproduz. A pupila funciona como o diafragma da máquina, controlando a quantidade de luz que entra no olho, por isso em ambientes com muita luz a pupila se fecha e em locais escuros a pupila se dilata com o intuito de captar uma quantidade de luz suficiente para formar a imagem.

A seguir, conheça todos os componentes do olho humano.

Cílios: são pelos localizados na borda da pálpebra e servem para proteger o olho de materiais em suspensão no ar, como a poeira.

Conjuntiva: é a membrana transparente que reveste a parte anterior do olho e a superfície interior das pálpebras.

Córnea: é o tecido transparente que cobre a pupila, a abertura da íris. Junto com o cristalino, a córnea ajusta o foco da imagem no olho.

Coroide: camada média do globo ocular. Constituída por uma rede de vasos sanguíneos, ela supre a retina de oxigênio e outros nutrientes.

Corpo ciliar: localizado atrás da íris, o corpo ciliar é responsável pela formação do humor aquoso e pela acomodação, ou seja, mobilidade do cristalino.

Cristalino: lente transparente e flexível, localizada atrás da pupila. Funciona como uma lente, cujo formato pode ser ajustado para focar objetos em diferentes distâncias, num mecanismo chamado acomodação.

Esclera: camada externa do globo ocular – parte branca do olho. Semi-rígida, ela dá ao globo ocular seu formato e protege as camadas internas mais delicadas.

Fóvea central: porção de cada um dos olhos que permite perceber detalhes dos objetos observados. Localizada no centro da retina, é muito bem irrigada de sangue e possibilita, através das células cônicas, a percepção das cores.

Humor aquoso: líquido transparente que preenche o espaço entre a córnea e o cristalino. Sua principal função é nutrir essas partes do olho e regular a pressão interna.

Humor vítreo: líquido que ocupa o espaço entre o cristalino e a retina.

Íris: é um fino tecido muscular que apresenta, no centro, uma abertura circular ajustável chamada de pupila.

Mácula lútea: ponto central da retina. É a região que distingue detalhes no meio do campo visual.

Músculos ciliares: ajustam a forma do cristalino. Com o envelhecimento eles perdem sua elasticidade, dificultando a focagem dos objetos próximos e provocando presbiopia.

Músculos extrínsecos: conjunto de seis músculos responsáveis pelo movimento dos olhos. Trabalham em sincronismo, entre si, propiciando a movimentação simultânea dos olhos. Caso ocorra alguma alteração nesse sincronismo teremos a deficiência ocular chamada estrabismo.

Nervo óptico: é a estrutura formada pelos prolongamentos das células nervosas que formam a retina. Transmite a imagem capturada pela retina para o cérebro.

Fique por dentro de nossas notícias, novidades e artigos através também da nossa Fan Page!

Acesse agora clicando no ícone abaixo:

Facebook_icon-icons.com_66805[1]